domingo, 18 de abril de 2010

Diamantes. Obras de arte da natureza, dos designers e de mãos talentosas.

Materiais fascinam o designer. Quer seja por suas características técnicas, por exclusividade, por conceito de aplicação ou simplesmente pelo fascínio.

Milhões de anos para que um diamante saia da natureza e encante olhos apaixonados depois de passar por mãos talentosas que esculpirem verdadeiras obras de arte!

O Diamante não é considerado a pedra dos apaixonados por acaso.
Na antiguidade, somente encontrava brilho similar em Vênus, a deusa do amor. Por isso era chamado de “Pedra Vênus”.
Para os geólogos, o diamante é a parte mais jovem da rocha vulcânica.
Para os joalheiros, seu valor se determina em função da lapidação que pode ser redonda, navete, gota, coração e alguns cortes especiais como o esmeralda e o radiante. Em ângulos simétricos e perfeitos parece criar luz própria ao refletir a iluminação que o cerca.
Em geral, quanto mais claro e com maior número de faces lapidadas, maior será seu valor de mercado. A cor, outro fator determinante, pode ir do incolor até o amarelo e são classificadas por letras em uma escala que vai da letra    D = incolor até a letra Z = amarelo.
As mais raras são as cores Azul, Vermelho, Verde e Rosa. Essas raridades chegam a preços inimagináveis no mercado internacional.
A palavra diamante tem origem grega = ADAMAS que quer dizer ETERNO.
E eternos são o mistério e o encantamento que provocam até no olhar mais insensível.
Dubai, mesmo com uma crise anunciada em manchetes carregadas exibe facilmente essas raridades incríveis com aplicações das mais inusitadas.







Algo realmente impactante é essa arma coberta de diamantes claros e negros, que o gerente da loja afirmou ser uma peça de decoração.
Á venda em uma das lojas de diamantes do hotel Burj al Arab.
US$ 5.300.000,00 por esta peça que parece real demais para ser decorativa.

Esse broche merece destaque por conta da raríssima pérola dourada. A pérola é uma gema de origem orgânica produzida em muitos moluscos, mas as que realmente possuem maior valor são as produzidas por moluscos marinhos. Suas cores variam entre tons de creme, azuis, rosas, prata, negro, verde e a mais valiosa, a dourada. Este broche em diamantes claros e negros com pérola dourada é avaliado em US$1.800.000,00


Pessoalmente eu não diria que me agradaram, mas vale destacar o belo diamante azul em forma de coração neste relógio totalmente coberto de diamantes e avaliado em US$ 2.500.000,00.
Ao lado, um relógio em rubis e diamantes avaliado em US$ 1.300.000,00
Coberto de diamantes claros e negros o relógio masculino facilmente encontrado nos pulsos dos sheiks. Valor aproximado US$ 1.500.000,00

Todo coberto de diamantes. Vale US$ 2.600.000,00




Das mais preciosas, a esmeralda já foi consagrada desde a antiguidade
No túmulo do Faraó Tutankhámon, um escaravelho esculpido em esmeralda representa a imortalidade da alma.
Escolhida pelo profeta Moisés como uma das pedras do peitoral de Aaron (peça em ouro maciço cravejada com 12 pedras preciosas cada uma representando uma das tribos de Israel) usado em grandes cerimônias.
Cleópatra a elegeu como pedra do amor.
O Brasil é hoje o maior produtor dessas belas gemas.
Este conjunto incrível de colar, brincos e anel é avaliado em torno de US$8.000.000,00. A pulseira estava reservada e não tinha seu valor divulgado.
Irresistível! Experimentei este colar e por alguns minutos me senti uma rainha.
Para os que amam este esporte muito praticado em Dubai, o broche em diamantes claros e negros com uma bela Safira. Os antigos acreditavam que a safira possuía a capacidade de promover a paz. Considerara por muitos povos como protetora do espírito e com capacidade de curar os males da alma.        A palavra safira deriva do grego e significa cor azul. Valor não divulgado por estar reservada.                                                                                       
Um celular coberto com diamantes dispensa comentários!
Perfumeiros em cristal com detalhes em ouro! Realmente um mundo à parte!
















Ouro e diamantes em um grande mercado. Assim, na rua! Você pode comprar o que quiser, sair usando com a maior tranquilidade, esquecer a bolsa como fiz em 4 lojas, voltar encontrá-la exatamente no mesmo lugar onde esqueceu e principalmente sonhar com tudo o que vê.

Como designer, registrei o que vi e a linguagem muito diferente da nossa que norteia a criação.
Como mulher normal que sou, queria comprar tudo!

                                                                                         
Matéria publicada na Revista High Society /CAPA abril 2010