segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Conhecendo melhor a Catedral de Notre Dame

FACHADA


Catedral De Notre Dame, é uma das mais antigas catedrais francesas em estilo gótico. Iniciada sua construção no ano de 1163, é dedicada a Maria (daí o nome Notre-Dame – Nossa Senhora), situa-se na praça Parvis, na pequena ilha Île de la Cité.


FACHADA OCIDENTAL


A fachada ocidental é a fachada principal e não só a de maior impacto e monumentalidade como também a de maior popularidade. Apresenta três níveis horizontais e é ainda dividida em três zonas verticais pelos contrafortes ligeiramente proeminentes que unem em verticalidade os dois pisos inferiores e reforçam os cunhais das duas torres.


FACHADA - NÍVEL INFERIOR




Neste nível são evidentes três portais que surgem em épocas diferentes e que formam um conjunto que passa a ser utilizado na arquitetura a partir dos meados do século XII. São profusamente trabalhados, penetrando na parede por uma sucessão de arcos envolventes em degrau, arquivoltas, destacando-se o portal central ligeiramente em altura dos laterais.

PORTAL DE SANTA ANA


Foi instalado por volta de 1200 antes dos outros dois portais. É o portal da direita e vem da época do início da construção da catedral e teria sido possivelmente pensado para um dos braços do transepto. Essa escultura transparece ainda uma forte ligação à escultura do românico tardio pela sua frontalidade, rigidez do vestuário e pouca volumetria.
A parte superior apresenta a Virgem Maria sentada sob um dossel com Cristo em criança, que detém o Livro da Lei, em seus braços. Ela está nos observando e nos mostrando a criança, que está nos abençoando, porque ambos nos encorajam a entrar na catedral para refletir e orar.
Na proximidade da Virgem está um rei ajoelhado (canto esquerdo), que se crê ser o rei Luís VII e na frente deste um bispo, que poderá ser o impulsionador da construção da catedral, o bispo Maurice de Sully. Há um anjo em cada lado do trono, e à esquerda.
A arquitrave possui dois níveis; a banda superior, de cerca de 1170, tem cenas da vida de Maria, mostrando cenas da chegada de Cristo na terra, desde a Anunciação à Epifania. E a inferior, do início do século XIII – altura em que o portal deverá ter sido colocado neste local e que retrata cenas da vida de Ana e Joaquim, pais de Maria, fato que terá dado o nome ao portal.
No frontão, nas arquivoltas concêntricas, vemos a corte celeste (anjos, reis, profetas e anciãos do Apocalipse) cantando a glória de Deus, um maravilhoso exemplo de harmonia e sofisticação escultural.


PORTAL DA VIRGEM



É o portal da esquerda e, já pensado especificamente para este local, pertence ao século XIII com iconografia referente a Maria. Na arquitrave, na sua banda inferior (3), vêem-se seis patriarcas do Antigo Testamento e reis sentados a emoldurar um pequeno baldaquino que remete simbolicamente à Anunciação.
No centro (2) são representados a morte e a ascensão de Maria aos céus e os apóstolos que rodeiam a cena. Cristo, no ponto central, toca o corpo de sua mãe, como que num sinal à futura ressurreição.
A parte superior (1) trata da coroação de Maria, em que Cristo, sentado, recebe-a e benze-a, enquanto um anjo a coroa. A realçar a festividade da cena estão dois anjos ajoelhados carregando candelabros nas mãos.
Nas arquivoltas encontram-se anjos, profetas, reis e santos que assistem ao acontecimento.


Portal da Virgem
Portal da Virgem
Saint Denis

PORTAL DO JULGAMENTO

É o portal central e o mais novo do conjunto. No românico a figura central do portal é Cristo em ascensão aos céus, como parte dos acontecimentos de pentecostes ou no papel de Julgador. Mas no gótico já não é o monge que inicia os fiéis no mundo iconográfico do sagrado, a fé e a experiência espiritual são, nesta fase, sobrepostos pela autoridade e lei representadas pelo clero ligado à cidade, o bispo. Deste modo passa o tema do Julgamento a representar o papel principal no portal gótico. A banda inferior da arquitrave, por estar danificada, foi substituída no século XVIII por uma representação da ressurreição dos mortos. A banda superior representa os “escolhidos” e os “condenados” separados pelo Diabo e pelo arcanjo Miguel com a balança das almas. Os que entram no paraíso levam uma coroa, uma possível alusão à santidade da coroa francesa. O tímpano apresenta Cristo na pose de Julgador revelando as chagas nas palmas das suas mãos. Nas arquivoltas Abraão recebe as almas dos escolhidos e o Diabo as dos pecadores. Concêntricos a Cristo surgem anjos, patriarcas, profetas, dignitários, mártires e virgens santas.

Portal do
Último Julgamento
Portal do
Último Julgamento
Portal do
Último Julgamento


1) Cristo no Trono do Julgamento
2) As boas Almas
3) Anjo Miguel e o Demônio
4) As Almas Condenadas
5) O Dia do Julgamento - Os Anjos anunciam que todos serão julgados
6) Cristo entre os 12 apóstolos


GALERIA DOS REIS


A rematar e a fazer a transição para o nível intermédio está a Galeria dos Reis, uma banda composta por vinte oito estátuas de 3,5 metros de altura cada. As estátuas tanto podem ser representações de figuras do Antigo Testamento como monarcas franceses. Durante a revolução francesa foram danificadas pelos revoltosos que pensavam tratar-se dos reis de França. As atuais estátuas foram redesenhadas por Viollet-le-Duc e as originais encontram-se no Museu de Cluny.


FACHADA  - NÍVEL INTERMEDIÁRIO


A dominar o nível intermédio encontra-se a rosácea de 13 metros de diâmetro ao centro encaixada entre os contrafortes e ladeada por janelas gêmeas. À sua frente surge a estátua da Virgem Maria com o Menino.
A Rosácea tem um azul forte como cor dominante. A composição baseia-se no número 8 e suas multiplicações e simboliza o Universo, a Terra e os sete planetas.
No centro surge a Mãe de Deus rodeada de medalhões com representação de personagens do Antigo Testamento, profetas, reis e altos clérigos.


Seguindo o traçado do piso inferior, e contribuindo para a unidade da fachada, corre uma galeria de arcarias rendilhadas a rematar este nível na zona superior.

Adão
Rosácea
Eva

GALERIA DAS QUIMERAS

Quimera é uma figura mítica que, apesar de algumas variações, costuma ser apresentada como um ser de cabeça e corpo de leão, além de duas outras cabeças, uma de dragão e outra de cabra. Outras descrições trazem apenas duas cabeças ou até mesmo uma única cabeça de leão, desta vez com corpo de cabra e cauda de serpente, bem como a capacidade de lançar fogo pelas narinas. Com o passar do tempo, chamou-se genericamente quimera a todo monstro fantástico empregado na decoração arquitetônica. (Fonte: Wikipédia)

A diferença entre Quimeras e Gárgulas:

Gárgula
Quimera

As Gárgulas, na arquitetura, são desaguadouros, ou seja, são a parte saliente das calhas de telhados que se destina a escoar águas pluviais a certa distância da parede e que, especialmente na Idade Média, eram ornadas com figuras monstruosas, humanas ou animalescas, comumente presentes na arquitetura gótica. O termo se origina do francês gargouille, originado de gargalo ou garganta, em Latim gurgulio, gula. Palavras similares derivam da raiz gar, engolir, a palavra representando o gorgulhante som da água; em italiano: doccione; alemão: Ausguss, Wasserspeier.
Acreditava-se que as gárgulas eram os guardiões das catedrais e que durante a noite, ganhavam vida.

Uma Quimera, ou uma figura grotesca, é um tipo de escultura similar que não funciona como desaguadouros e serve apenas para funções artísticas e ornamentais.

Quimera
Quimera
Quimera

FACHADA - NÍVEL SUPERIOR

Aqui erguem-se as duas torres de 69 metros de altura - influência normanda do século XII que acabou por permanecer na arquitetura religiosa européia. A torre sul acolhe o famoso sino de nome “Emmanuel”.

Para se ter uma idéia da sensação do som do “Emmanuel”, saiba que o sino pesa 13 toneladas e desde 1685 empresta a sua voz para anunciar a chegada de datas importantes para os cristãos e também, os maiores eventos que caracterizaram a nossa história, como por exemplo, o fim das duas Guerras Mundiais. Emmanuel também soou um dia após o trágico 11 de setembro.
É possível visitar a torre norte onde, após uma subida de 386 degraus, se podem vislumbrar a cidade de Paris, os pináculos e as gárgulas da catedral que povoaram o romance de Victor Hugo.

CABECEIRA

O termo arquitetônico cabeceira designa, numa igreja ou principalmente numa catedral com orientação Oeste-Este, o conjunto das áreas situadas a Leste (o lado oposto à fachada principal - a cabeça do corpo de Cristo numa planta em cruz) quando vistas do exterior (abside + deambulatório + capelas radiantes).
Na catedral de Notre Dame, a estrutura de suporte de peso é visível do exterior a ladear todo o edifício, mas na zona da cabeceira a elegância destes elementos resulta numa fluidez visual que só se torna possível depois de 1225, quando as capelas são acrescentadas ao exterior.
Nesta altura todo o esplendor técnico do gótico está ao alcance e os arcobotantes (é uma construção em forma de meio arco, erguida na parte exterior dos edifícios românicos e góticos para apoiar as paredes e repartir o peso das paredes e colunas só assim se conseguiu aumentar as alturas das edificações dando forma (beleza), função (estrutura) com a técnica da época. O arcobotante liga-se ao contraforte, e estes, ligados, se auxiliam na sustentação do peso da abóbada.), que fluem da zona superior da parede do coro, onde a impulsão da abóbada para o exterior se concentra, prolongam-se até aos contrafortes, não de forma pesada, mas transmitindo leveza e harmonia.

Cabeceira
Arcobotantes
Arcobotantes
Arcobotantes
Arcobotantes
e Contraforte

A FLECHA

Pináculo: São encontrados no topo das estruturas, uma maneira fácil de resumir seu formato é: "tem formato de um chapéu de festas infantis, geralmente com alusões aos espinhos da coroa de Jesus", esses espinhos são chamados de cogulhos. São localizados por exemplo. Em topos das colunas dos arcobotantes, nos cantos, ou no topo da fachada.

Agulha ou Flecha: São estruturas no meio do teto, onde podem alcançar o ponto mais alto da estrutura (como em Notre Dame), ou em cima das torres da catedral.
A flecha da catedral, de 90m, foi acrescentada por Viollet-le-Duc. Perto das estátuas dos apóstolos, no telhado, há uma do arquiteto, admirando sua obra. É a única de frente para a flecha. 

Viollet le Duc
A Flecha
Pináculo

ROSÁCEAS

rosácea é um elemento arquitetônico ornamental usado no seu auge em catedrais durante o período gótico. Dentro do eixo condutor deste período artístico, a rosácea transmite, através da luz e da cor, o contato com a espiritualidade e a ascensão ao sagrado. (Fonte: Wikpédia)
Há três grandes vitrais ou Rosáceas em Notre Dame que são responsáveis pela iluminação do transepto, de onde se tem a melhor visão dos mesmos. À medida que se avança em direção ao altar, a igreja vai ficando mais iluminada, simbolizando a jornada dos fiéis em direção à luz.

Rosácea Norte
Rosacéa Sul
Rosácea Oeste

PORTAL DE SAINT ETIENE

Esta porta está no braço sul do transepto. A parte superior relata a vida do primeiro mártir cristão, Saint Étienne, de acordo com Atos dos Apóstolos.
Detalhe

LADO NORTE

A face norte da Notre-Dame é formada por 3 níveis: o primeiro com uma porta, sobreposta por uma parede sem ornamentos.
O segundo nível é constituído por uma clarabóia guardada por 9 arcos.
E o terceiro é onde está a rosácea norte. Ela está localizada exatamente em oposição à rosácea-sul.

Primeiro Nível:
Portal do Claustro
Segundo Nível:
Clarabóia
Terceiro Nível:
A Rosácea Norte

PORTA DO CLAUSTRO

O tímpano apresenta um registo em três bandas, típico do gótico, onde se torna possível representar diversos episódios alimentando o gosto pela festividade do relato. Na banda inferior vêem-se cenas de Jesus em criança. Nas duas bandas superiores um bispo conta a história do presbiteriano Teófilo, desenvolvendo-se a lenda do mesmo personagem numa sequência de quatro cenas na banda imediatamente inferior.
Também no portal toma lugar a estátua de uma Madona que sobreviveu à revolução francesa e que denota o nível avançado da escultura gótica, apresentando uma naturalidade na atitude e rotação corporal.
Detalhe

INTERIOR

Adro: A parte exterior da catedral, geralmente é composta por jardins, ou um cemitério. Pode ser também a definição dos terrenos da igreja.

1 - Nártex: Parte coberta que antecede a igreja, na arquitetura gótica o nártex é um endo-nártex, e na arquitetura romana exo-nártex. O nártex nesse estilo de catedral "caracteriza-se como um espaço estreito transversal à nave".
2 - Nave: É a ala central de uma catedral, *também existem as naves colaterais que ficam aos lados.
3 - Cruzeiro: Área do encontro da Nave com o Transepto.
4 - Transepto: Nave perpendicular a nave principal.
5 - Coro: Localizado após o cruzeiro, antecede o altar, geralmente destinado a pessoas especiais (como os padrinhos no casamento ou autoridades num evento), às vezes apresenta um presbitério.
6 - Presbitério: Parte do Coro destinada ao clero, perdeu sua função e hoje é considerado parte do coro.
7 - Ábside: onde se localiza o altar, é o lugar onde se celebra a missa, e é a parte mais importante da catedral, geralmente é decorado com vitrais ou grandes crucifixos.
8 - Deambulatório: Localizado após o altar, seu nome vem do latim "ambulatorium", que significa lugar para andar, dreambular no caso. Passagem fechada de um lado e geralmente aberta em outro por arcos e que circula o coro e a ábside.
9 - Capela radiante: Várias capelas pequenas localizadas perto do dreambulatório.

Nave
Cruzeiro
Transepto
Ábside
Deambulatório
Coro

Clerestório é o nome dado as sequências de janelas nas laterais das naves, já os trifórios são as galerias estreitas (ou falsas galerias) que ficam em cima da arcada e embaixo o clerestório. As arcadas são o conjunto de arcos, nesse caso que ficam no primeiro nível da catedral.

Clerestório, Trifórios e Arcadas

Tracerias são estruturas em pedra ou as vezes madeira que separam os vitrais da rosácea, geralmente o termo rosácea é usado para designar as duas estruturas juntas.
Vitral: desenhos no vidro das janelas, tendo grande destaque na arquitetura gótica, podem ser confeccionados através de mosaicos ou pinturas.
Lóbulo: tem forma de trevo e tem objetivo decorativo, é formado por um segmento de círculos.

Traceria
Vitral
Lóbulo

O edifício tem 127 metros de comprimento, 48 metros de largura e 35 metros de altura é rematada em cima por abóbadas e dá o primeiro passo na construção colossal do gótico. As maciças colunas de fuste liso da nave, que acentuam a verticalidade, fazem a divisão em arcadas altas para as alas laterais e suportam uma tribuna (galeria), em que janelas para o exterior são abertas para deixar entrar mais luz. Criando unidade com este elemento surge o clerestório a fazer o remate superior com os seus grandes grupos de janelas de dois lances e óculo.


O ÓRGÃO

O principal órgão está situado em frente da rosácea ocidental.
Datando originalmente do século XIV, só doze dos seus 32 tubos são originais e já foi alvo de vários restauros. Este órgão é usado em eventos especiais e o órgão do coro tem mais serventia para os eventos de rotina. (Fonte: Wikipédia)

O Órgão

O TETO



Abóbada: As abóbadas são tetos côncavos e arqueados,extremamente pesados.
Tramo: São os arcos entrelaçados em forma de X ou um "j russo" que dão forma a abóbada.
A principal e mais característica invenção técnica da arte gótica foi o arco ogival, muito mais dinâmico que o estático arco redondo românico e que exercia menor pressão lateral, possibilitando a construção de abóbadas de cruz ou cruzaria de ogivas; estas tornaram-se mais elásticas e dinâmicas, adaptando-se melhor ás formas e dimensões dos espaços a cobrir, o que permitiu aumentar as áreas de construção, e sendo mais leves e fáceis de sustentar, elevaram-se cada vez mais, contribuindo para uma maior verticalidade das construções.


CURIOSIDADES

  • Em 1455 Joana d´Arc foi julgada ali
  • Foi em Notre Dame onde ocorreu a beatificação de Joana d’Arc, em 1909.
  • Foi erguida na Ile de la Cité, no centro do rio Sena, sobre os restos de duas antigas igrejas.
  • A fachada principal apresenta o mesmo modelo da igreja de Saint-Denis, precursora da arquitectura gótica.
  • As duas torres de 70 metros de altura cada.
  • Em 2 de dezembro de 1804, Napoleão Bonaparte é coroado Imperador da França no altar da Notre Dame. O ousado general tomou a coroa do papa Pio VII e coroou a si mesmo e a sua esposa Josefina imperatriz.
  • Foi graças ao famoso romance de Victor Hugo, O Corcunda de Notre Dame, lançado em 1831, contando a história de Quasímodo e de sua paixão impossível pela cigana Esmeralda, que a sorte da catedral mudou em definitivo. Victor Hugo tinha apenas 28 anos quando concluiu esta obra prima. E graças a seus adoráveis e eternos personagens, ressurge o interesse popular pela Catedral, pela sua arquitetura gótica, e inicia-se um movimento nacional pela reforma e preservação da Catedral, que viria a ser executada entre 1845 e 1865, sob o comando do genial arquiteto Eugène Emmanuel Viollet-le-Duc.
  • A catedral têm 5 sinos. O maior deles, o sino Emannuel pesa mais de 13 toneladas e o seu batente 500 quilos e só toca nas grandes festas católicas. Na torre norte, quatro outros sinos tocam várias vezes ao dia.
  • Os bancos do coro, de madeira entalhada, foram encomendados por Luís XIV. Entre os entalhes dos 78 painéis há cenas da vida da Virgem Maria. Inclusive uma que mostra a Virgem grávida, imagem raríssima de se ver.
  • Durante a revolução, o prédio da Notre-Dame foi profanado e rebatizado como Templo da Razão e serviu também como local para armazenar alimentos.



FONTE: http://around-the-world.awardspace.co.uk/blog/dicas/notre_dame_detalhes.php